Operação Mar Aberto cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão

May 11, 2019

Foram apreendidos 28 carros de luxo, sendo uma Ferrari. Mandados foram cumpridos em Pernambuco, São Paulo e na Paraíba. Grupo investigado movimentou R$ 358 milhões em cinco anos, segundo polícia.

Polícia prende DJ Jopin e parentes em operação sobre sonegação de R$ 65 milhões

 

 

José Pinteiro Júnior, mais conhecido como DJ Jopin, e parentes dele foram presos nesta quinta-feira (9), durante o cumprimento de mandados da Operação Mar Aberto, da Polícia Civil de Pernambuco e da Secretaria da Fazenda (Sefaz). Segundo a polícia, o grupo de empresas investigado movimentou R$ 358 milhões em cinco anos e, do total, foi constatada a sonegação de, pelo menos, R$ 65 milhões.

 

Foram cumpridos nove mandados de prisão preventiva, sendo oito em Pernambuco e um em São Paulo. A investigação sobre lavagem de dinheiro e crimes tributários do grupo, ligado à fabricação de embarcações, contou com apoio das polícias de São Paulo e da Paraíba no cumprimento dos mandados.

 

Entre as apreensões, estão 28 carros de luxo, sendo uma Ferrari, um Porsche e um Maserati. Também foram apreendidas quatro embarcações e bloqueados 15 imóveis.

 

"No fim de 2017, o Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras] alertou a Polícia Civil sobre movimentações financeiras suspeitas. Esse processo começou a partir do trabalho do laboratório de lavagem de dinheiro e resultou nas prisões e apreensões", diz a delegada Sylvana Lellis, gestora do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco).

 

Além de Jopin, foram presos o empresário José Pinteiro Costa Neto, pai do DJ, e Aníbal Pinteiro, primo do artista. Andréa Pinteiro e Victória Pinteiro, respectivamente mãe e irmã de Jopin, também foram presas. Outras quatro pessoas, apontadas como "laranjas", também foram presas.

 

"Vou junto à Justiça tentar demonstrar que não há necessidade da prisão. É uma família que todo mundo conhece em Pernambuco e todos os fatos que estão sendo investigados serão esclarecidos", diz o advogado Hélcio França, que defende José Pinteiro Costa Neto, a esposa dele, Andréa Pinteiro, e o DJ Jopin.

 

O advogado Ademar Rigueira, que representa Aníbal Pinteiro, informou por meio de nota que vai se pronunciar após ter acesso à íntegra dos autos de investigação e está colaborando "com as informações necessárias para esclarecimentos dos fatos relacionados à operação".

A reportagem também entrou em contato com a Luan Promoções, responsável pela carreira do DJ, e aguarda resposta. Ele tinha apresentações agendadas para os próximos dias.

 

O grupo Ecomariner, da família Pinteiro, reúne 11 empresas em Pernambuco e na Paraíba. No bairro do Pina, na Zona Sul do Recife, o estaleiro do grupo foi alvo de mandado de busca e apreensão.

 

"Esperamos que, com essas apreensões, o dinheiro que foi sonegado volte ao poder público", diz o delegado Jean Rockfeller. Os detalhes de como funcionava o esquema não foram divulgados.

 

Entre os locais com mandados cumpridos, há os bairros de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e Candeias, em Jaboatão dos Guararapes.

 

A investigação começou em dezembro de 2017 e é comandada pela delegada Priscila Von Sohsten, do Draco, com apoio da Diretoria de Inteligência e do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da corporação.

 

A operação contou com cem policiais civis de Pernambuco, além de duas equipes da Policia Civil de São Paulo e outra da Polícia Civil da Paraíba, além de equipes coordenadas por auditores da Sefaz.

 

Os presos e apreensões em Pernambuco são encaminhados para a sede do Draco, no bairro do Tejipió, no Recife.

 

Fonte: https://g1.globo.com/pe/pernambuco/noticia/2019/05/09/operacao-mar-aberto-mira-suspeitos-de-lavagem-de-dinheiro.ghtml

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Featured Posts

PE ganha Laboratório Contra Lavagem de Dinheiro

June 23, 2015

1/2
Please reload

Recent Posts